São Paulo vende Éder Militão ao Porto com percentual de negócio futuro

17 abril de 2018

São Paulo acertou a venda de Éder Militão ao Porto. Em reunião nesta terça-feira, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e o Conselho de Administração aprovaram a transferência.

Militão tem contrato até janeiro de 2019, o que enfraqueceu o poder de negociação (quanto menos tempo de vínculo vigente, menos força para segurar o atleta). O Tricolor ficará com:

  • 4 milhões de euros (cerca de R$ 17,7 milhões);
  • 10% do total de uma venda futura (exemplo: se Militão for vendido por 40 milhões de euros, o São Paulo terá direito a 4 milhões de euros);
  • usará o jogador em mais quatro partidas: Grêmio, Cruzeiro, Colón (segunda fase da Sul-Americana) e Vasco, no dia 5 de agosto, quando fará sua despedida do Morumbi. Portanto, ele está confirmado como titular no duelo desta quinta-feira, em Porto Alegre.

No total, o Porto pagará 7 milhões de euros (R$ 30,6 milhões) por Éder Militão, dos quais 3 milhões de euros (R$ 13,1 milhões) serão destinados ao estafe do atleta (comissões para empresários) e ao próprio jogador. Havia um acerto prévio entre Porto e Militão, apto a assinar um pré-contrato desde o último dia 11 de julho.

Embora tenha se empenhado e mostrado profissionalismo no São Paulo, Militão manteve firme o discurso com desejo de sair nesta janela.

Nem mesmo a campanha da equipe na disputa da liderança do Brasileirão mudou sua vontade (o Tricolor tem um ponto a menos do que o Flamengo, primeiro colocado).

Nos últimos dias, o São Paulo endureceu a negociação e recusou uma oferta de 4 milhões de euros que não incluía a porcentagem de venda futura. Inicialmente, o Porto queria repassar 10% em cima do lucro da próxima negociação, mas o acordo foi selado em cima dos 10% do total.

O Tricolor também queria manter Militão até o fim da janela de transferências, cujo encerramento é no dia 31 de agosto, mas o Porto não aceitou.

O acordo foi pela manutenção do lateral no Morumbi por mais quatro jogos, o que lhe tira da disputa da Supertaça Portuguesa do próximo dia 4 de agosto, contra o Desportivo Aves.

O São Paulo tentava barganhar tempo e melhores condições de negócio para encaixar a saída de Militão com a liberação de Bruno Peres para jogar. O lateral-direito ex-Roma se condiciona fisicamente e deverá estar à disposição pouco antes da saída de Militão ao Porto.

Éder Militão (E) e Paulo Boia , jogadores do São Paulo FC, durante treino no CCT da Barra Funda na Zona Oeste da capital paulista.